Mais info em www.pedrovieira.net

Mais info em www.pedrovieira.net
Mais info em www.pedrovieira.net

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Flexibilidade e conforto!

Sempre que estamos perante uma situação, avaliamo-la recorrendo ao nosso cérebro, claro! (às vezes tentamos usar o cérebro dos outros, mas tende a sair caro...)

O noss cérebro tem muitos biliões (na realidade... um trilião inteirinho!) de ligações entre neurónios e são essas ligações que são percorridas enquanto avaliamos a situação.

Ou seja, avaliamos algo novo com base na informação de que já dispomos (e que foi criada com base nas experiências passadas). É por isso que temos tendência a:

1) Avaliar o novo como uma versão do antigo (e não como algo radicalmente diferente)

2) Ter respostas antigas para situações novas

Chama-se a isto... zona de conforto! Olhar para as coisas da mesma forma e obter as mesmas soluções/respostas é confortável (o que não quer dizer que seja agradável, note-se!) e também garante resultados iguais aqueles que já tinhamos obtido no passado.

Para podermos alcançar novos resultados, conquistarmos novas aprendizagens, temos que fazer algo profundamente desconfortável... deixar de ver o que viamos, deixar de aceitar o que aceitavamos, abdicar regularmente dessa necessidade tão humana de ter RAZÃO.

Costumo dizer que o maior presente que um pai pode dar a um filho é o estímulo da flexibilidade. Pessoas flexíveis habituam-se a olhar para o mundo de vários prismas, considerar novas perspectivas, esquecer coisas que já sabiam, aceitar novas respostas.

Tudo isto é muitas vezes desconfortável! É necessário aceitar primeiro o desconforto para poder depois experimentar o conforto e, logo a seguir,... começar tudo de novo! Com FLEXIBILIDADE!

1 comentário:

Angela disse...

Gostei mto deste teu post! =)