Mais info em www.pedrovieira.net

Mais info em www.pedrovieira.net
Mais info em www.pedrovieira.net

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

A PNL e a Inteligência Emocional

Daniel Goleman popularizou o termo Inteligência Emocional. Nos últimos anos, um número crescente de indivíduos e organizações tem-se interessado pelo tema, dando-lhe um papel de relevo.

Como Trainer de Programação Neuro Linguística (PNL), sou abordado por várias entidades e pessoas que querem aprender a “controlar o seu estado emocional”, acreditando que ao fazê-lo poderão incrementar os seus resultados. Face à pertinência actual desta questão, vou introduzir uma discussão saudável...

Quando investigo o que quer dizer exactamente “controlar” nesta situação, descubro que esta palavra é regularmente utilizada para exprimir a capacidade da “mente” controlar as “emoções”.

Ora, tendo em conta que as nossas emoções são o produto das nossas representações internas (aquilo em que pensamos) e da nossa fisiologia (a forma como a dada altura estamos a utilizar o corpo), então o termo “controlo” talvez não seja o mais adequado.

Pense no que representa para si uma pessoa altamente “controlada”? Normalmente usamos esta expressão para alguém que manifesta pouco as suas emoções ou que reage sempre com aparente indiferença emocional aos eventos e desafios que se lhe apresentam.

Alguém que reage consistentemente desta forma está a praticar aquilo a que se chama... a estratégia da inflexibilidade: independentemente do estímulo recebido, apresentamos a mesma resposta emocional. O recurso a esta estratégia é normalmente motivado por um desejo de não falhar, não se expor, não mostrar fragilidade ou de puro controlo da realidade.

A proposta da PNL é bem diferente: em vez de se falar em “controlo” do estado emocional, fala-se em “escolha” do mesmo. Quando somos expostos a um determinado estímulo externo (um comentário, uma pergunta, uma notícia, um ataque, uma surpresa) escolhemos a resposta que melhor serve os nossos interesses e os dos outros – uma escolha ecológica.

Sendo que a maior parte das nossas respostas emocionais é inconsciente e acontece ainda antes de conscientemente podermos analisar o tal evento externo, como instalar então as opções, os caminhos, as alternativas?

A PNL é, na minha opinião, uma extraordinária tecnologia pois permite que ajudemos o nosso inconsciente a fazer novas e melhores escolhas, mesmo antes de podermos seleccionar conscientemente a nossa escolha habitual. E este é sem dúvida o verdadeiro segredo da FLEXIBILIDADE... ou Inteligência Emocional, como lhe preferir chamar!

O que poderia acontecer na sua vida agora se cultivasse a flexibilidade necessária para produzir novas respostas, assumir novas escolhas, instalar novos hábitos? Esta é talvez a grande descoberta individual que é feita numa Certificação de Practitioner em PNL! Logo seguida da extraordinária sensação de perceber que facilmente se pode pôr estes novos conhecimentos ao serviço dos outros, de uma forma emocionalmente inteligente, claro!

1 comentário:

Paulo Lontro disse...

As ferramentas que permitem esta alteração de nível de Flexibilidade surpreenderam-me pela sua simplicidade.

Os ganhos associados à alteração referida são brutais, podem em alguns casos de stress emocional extremo ser uma revolução na vida e na interacção comunicacional com as outras pessoas aumentando, em muito, o resultado dessa mesma comunicação.