Mais info em www.pedrovieira.net

Mais info em www.pedrovieira.net
Mais info em www.pedrovieira.net

domingo, 8 de agosto de 2010

Correr, correr, correr!

O que se pode aprender enquanto se corre?

Nos últimos dias, tenho aproveitado uns belos dias de Verão sueco para voltar a correr. Devagarinho e poucos quilómetros de cada vez (6,8 e 10 nos 3 primeiros dias) para que o meu sistema se possa ir ambientando às novas exigências a caminho da Maratona do Porto no próximo dia 7 de Novembro. (vai ser bom chegar lá com menos 5 quilos, já agora!)

Enquanto corremos, acontecem frequentemente alterações dos padrões de pensamento consciente, pois, perante o desafio de ter de lidar com as novas tarefas inerentes à corrida, o sistema passa a operar activando áreas da neurologia menos frequentes. Assim, novos pensamentos rompem mais facilmente as barreiras da consciência. É por isso que são muitos os escritores ou pensadores que gostam de criar enquanto fazem desportos de resistência.

Como estou a escrever um novo livro, este estímulo está a ser muito produtivo. Assim, para os próximos dias tenho previstas longas corridas pelas florestas e praias do Sul da Suécia.

Que tipo de situações criar no seu dia-a-dia para poder libertar-se das rotinas de pensamento habituais e entrar em períodos de mini-transe onde novos pensamentos podem florescer? Há quem goste da jardinagem, há quem prefira a meditação! A minha sugestão de hoje é a corrida!

O importante é que deixe o seu sistema explorar as fronteiras da criação introduzindo maior stress ou praticando a ausência de stress. Para os interessados em hipnose e PNL, podemos chegar à alteração dos nossos mapas neuronais através da máxima abstracção (ausência de stress prático e ligação com o propósito) ou da máxima especificidade (introdução de stress prático e descoberta de novas soluções).

Claro que pensei nisto... enquanto corria! ;-)

5 comentários:

Alexandre Caramez disse...

Pedro, é como te tenho dito temos de ir treinar um dia destes, percebes agora...
Imagina quando faço treinos de 20/30/40 Km, ui... que vagueio mental que é.
Eu testemunho a teu favor é brutal, libertador, inspirador.
Não só libertamos tóxinas, como libertamos recursos, ideias, alterações mentais.Muito "fixe"
Estou-te grato...
Forte abraço, "keep running, impossible is nothing..." :)

Nunes disse...

Olá Pedro,
Muito interessante esse seu Post, dá no que pensar! E cotidianamente ao fazer actividades como exercícios físicos (no Gym), tento abstrair-me das coisas diárias, canalizando o pensamento para "outras situações," continuarei com base em "suas dicas" aprofundar-me nessa forma comportamental em estar a fazer exercícios físicos, afinal estamos ali para outros fins... Abraços e boa férias!

Adriano disse...

Olá Pedro! Vim aqui por sugestão de Rui da Bica, e não me arrependi!

Excelente sugestão a sua. Confesso que os efeitos que costuma sentir numa corrida, eu sinto durante o banho quente... dá pra acreditar? Percebo claramente o quanto minha mente é capaz de criar durante um banho, o que faz minha noite infinitamente mais produtiva do que um dia inteiro de trabalho.

Realizo atividade física através da canoagem semanal, e mesmo em outras oportunidades de atividade física individual nunca senti os efeitos narrados por você tanto quanto no momento do banho.

Há alguma explicação científica para isso?

Grande abraço,
Adriano Berger
http://nanoberger.blogspot.com

Pedro Vieira disse...

Adriano, genericamente parecem existir duas formas de entrar nos chamados estados de Alta Performance:

1) Inundar o sistema de informação (é o que acontece com tarefas de muita complexidade, velocidade ou exigência - a corrida pode entrar neste último caso)

2) Libertar o sistema (através de meditação ou de... um banho quente)!

Espero ter ajudado!

FM disse...

Curiosamente consigo das duas formas: corrida e banho :)
Ou antes conseguia, porque era uma forma de resolver muitos problemas até aos 20 anos nas minhas corridas. Infelizmente deixei de correr mas felizmente não deixei de tomar banho :) e é lá que me ocorrem as melhores idéias.