Mais info em www.pedrovieira.net

Mais info em www.pedrovieira.net
Mais info em www.pedrovieira.net

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Manual do Manipulador - Parte 1

Há vários anos que me deixo fascinar pela riqueza do significado profundo da nossa comunicação. Aquilo que dizemos (à superfície) resulta de um emaranhado de intenções e significados ocultos que tornam a nossa comunicação em algo verdadeiramente esplêndido. O que dizemos vale muito pouco quando comparado com o que "realmente" queremos dizer. Alguns destes processos (de transformação da intenção em palavras) ocorrem fora do espectro consciente, o que torna tudo ainda mais interessante.

Gosto, particularmente, de observar, desmontar (e se possível, devolver) aquilo que se pode designar de comunicação manipuladora: a que ocorre quando o emissor pretende condicionar o receptor a fazer algo ou a aceitar um conceito, agindo dissimuladamente para obter tal fim.

Inicio hoje aquilo que pomposamente apelido do "Manual do Manipulador". Espero que o use com bom senso, para percepcionar melhor o uso da manipulação na sua própria comunicação e dos outros. A manipulação, mesmo que usada com total intencionalidade, continua a produzir sinais de incongruência. Que é o mesmo que dizer... se quiser manipular, os outros (pelo menos alguns e pelo menos em algumas situações) vão perceber! Isso apenas os fará sentirem-se desconfortáveis na sua presença. Siga o caminho da congruência e afaste-se da manipulação! (ou será que isto fui apenas eu a manipular para que não seja manipulador, ...?)

Aí vamos nós...

Uma das estratégias do Manipulador para controlar a Vítima, é o uso da MENTIRA. (já estava à espera desta, não era?)

A MENTIRA é a actividade de afirmar coisas em que não se acredita, citar factos sabendo que a percepção que se teve da realidade foi diferente. Embora seja às vezes definir o que é VERDADE e o que é MENTIRA, podemos afirmar que para um indivíduo em particular, mentir corresponde a comunicar algo diferente daquilo que acredita ser verdade.

O MANIPULADOR mente para conseguir induzir determinada acção por parte da vitima. Há quem seja tão viciado nesta estratégia, que é até apelidado de mentiroso compulsivo. A mentira, quando comunicada pela primeira vez, tende a gerar sinais inconscientes (ao nível da comunicação não verbal) que podem gerar no receptor da comunicação a sensação de falsidade ou desconforto. Pessoalmente, quando sinto algo parecido com isto, dirijo imediatamente a minha atenção para a comunicação não verbal do emissor, ou então faço perguntas de investigação (quem mente, inventa frequentemente os pormenores!)

Durante algum tempo, fui condescendente com pessoas próximas de mim que me mentiam com frequência, inclusive em contextos profissionais. Como conseguia ler o seu comportamento, achava que não gerava qualquer efeito de manipulação em mim. Hoje acredito em afastar-me de pessoas que recorrem frequentemente a esta estratégia, pois torna-se simplesmente aborrecido estar constantemente a filtrar a informação que chega até nós. É bem melhor estar perto de quem comunica de forma verdadeira (mesmo que para tal, use às vezes formas indirectas de verbalizar os seus sentimentos ou opiniões, isso é outra história bem diferente da mentira!)

Já me apanhei muitas vezes a mentir. Quando isso acontece, procuro reflectir na intenção que está por trás da mentira. Depois de identificada, é relativamente fácil encontra formas de satisfazer essa intenção sem recurso à mentira ou omissão de informação!

A próxima vez que achar que alguém lhe está a mentir... exponha o mentiroso (p.ex., dizendo... "isso é mentira, não é?) e veja o que acontece a seguir. Se estiver a interagir com um MANIPULADOR, vai certamente ter oportunidade de lidar com uma outra estratégia de manipulação logo a seguir... Isso, já é matéria para outro post!

1 comentário:

João Ricardo Pombeiro disse...

Já dizia John Ruskin... “The essence of lying is in deception, not in words.” (John Ruskin, 1819-1900, English art critic and social commentator)
Ter-se-á "esquecido" da intenção por trás do que é dito?...