Mais info em www.pedrovieira.net

Mais info em www.pedrovieira.net
Mais info em www.pedrovieira.net

sábado, 22 de setembro de 2012

A parede! Volto para trás ou bato com a cabeça?

Ontem dei por mim a colocar-me uma pergunta que tantas vezes recebi de clientes de coaching ou participantes em formações de todo o género. É uma pergunta poderosa. Muito poderosa mesmo. Às vezes, é "a" pergunta. Observemos:

Alguém lida com um desafio, procura soluções, bate sucessivamente em paredes/obstáculos/dificuldades. Uma vez após outra implementa planos de ação, estratégias. Aventura-se fora da zona de conforto, com coragem atira-se para o desconhecido. O tempo passa e o resultado pretendido não aparece. O que fazer? Como interpretar a informação recebida (feedback)? O que significa isto? Significa que devo desistir (pois receber 100 vezes o feedback de que não está a funcionar como eu queria é um feedback consistente)? Ou significa que devo persistir (pois talvez a próxima estratégia seja a de sucesso)?

Tantas vezes surge esta pergunta nos mais variados contextos:

- a empresa está a ter resultados negativos pelo quarto ano consecutivo, apesar de mudanças sucessivas de estratégia. Devemos mudar mais uma vez ou fechar a empresa?

- já terminei e reatei uma relação com a mesma pessoa várias vezes. Devo reatar mais uma vez ou aceitar que esta relação nunca vai funcionar?

- tenho um colaborador a quem dei várias hipóteses de melhorar a performance, já o ajudei com vários estímulos motivacionais. Devo continuar a apoiá-lo ou desistir dele?

O que faço?

Grande pergunta, não é? Como agir? Aqui ficam alguns possíveis caminhos:

1. Criar uma validação externa mensurável. Do género: vou persistir durante mais x meses. Assumo o compromisso de me manter ativo na busca do objetivo apenas durante esse período. Depois mudo de objetivo se não tiver chegado lá!

2. Criar uma validação emocional. Do género: enquanto for emocionalmente válido, continuarei a persistir. Enquanto sentir que é o objetivo é suficientemente importante, persigo-o.

3. Fazer o estudo do que podemos ganhar e perder ao persistir/desistir:
*o que ganho ao persistir?
*o que perco ao persistir?
*o que ganho ao desistir?
*o que perco ao desistir?

4. Faço uma coisa que adore, que me deixe num estado emocional agradável e estável. Que me deixe seguro e inspirado. E nessa altura, disparo a pergunta, "O que me diz o meu coração? Diz-me para avançar ou retroceder?"

Pessoalmente, vou olhar com carinho para as estratégias que acabei de listar, seleccionar uma delas e avançar novamente para a pergunta inicial!

Sem comentários: